busca

Alexandre Martins

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

 

Olá a todos !


Começo esse artigo neste sítio com sugestão do Marcos André: a história dos bairros da cidade. Há tempos venho respondendo perguntas na Comunidade Orkut "São Gonçalo-RJ: Sua Historia", criada pela deputada Aspásia Camargo e que teve de sair por questão partidária (por isso cada mensagem em "anônimo" é a dela). Pois bem, comecemos nosso "papo" informal aqui. E digo de primeira que não conto tudo, apenas algo para conhecimento.

Um estudo mais aprofundado pode ser feito no livro "o municipio de SG e sua História", da professora Maria Nelma Carvalho Braga ou pode nos perguntar nas reuniões da
Sociedade de Artes e Letras-SAL.


Mutuá



Segundo o Decreto de 1937 que determinava a criação de loteamentos no município de São Gonçalo, a região hoje conhecida como Mutuá foi a primeira a ser escolhida para que tal experimento fosse aplicado. Com o nome primeiro de "Cidade Nova" tendo em vista a organização de suas ruas dando a São Gonçalo uma visibilidade maior no estado do Rio. Realmente, o bairro é bem organizado, com praças e ruas largas, aproveitando todos os morros. Na Praça José Pedrosa (conhecida como “pracinha do Mutuá”), existia um grande cinema para os moradores. Mais tarde, segundo testemunhos, este loteamento foi edificado pela Caixa Econômica Federal (CEF) para soldados e praças da Marinha do Brasil. E por ser a CEF a financiadora através do sistema de compra, parte-se do pressuposto que o nome "mutuá" venha da corruptela de "bairro dos MUTUÁrios".


Boassú


O nome Boassú (atualmente estão escrevendo Boaçú) incorre no mesmo processo de corruptela de nomes. O nome correto seria "m´boi-assú" que significa na lingua Tupi "cobra grande" - uma vez que a região era abundante em cobras grandes, tipo Jibóias e até Sucuris. Deve-se também ao nome do rio que corta quase toda a cidade, o rio Imboaçu. Por isso, se encontrar alguma cobra grande no local, anime-se: a natureza está voltando...


Salgueiro


Deve-se ao sr. Manoel Salgueiro, português que tinha um comércio no que hoje é a esquina entre Estrada das Palmeiras e Estrada da Sapucaia. De fato, “Salgueiro” é apenas o nome de quatro quadras do bairro, que se chama “São Lourenço” em sua totalidade. A fazenda que existia ali - S. Lourenço - foi loteada e na década de 1960 o BNH - antigo Banco Nacional da Habitação, federal - fez um conjunto de casas muito boas no local para trabalhadores. As casas tinham o planejamento da “puxadinha”, isto é, um espaço no fundo do quintal para que pudesse ser feita mais uma construção, como uma meia-água – tradicional para os filhos que se casam cedo e que ainda não têm casa própria. Os antigos dizem que os moradores do morro do Salgueiro, no Rio, foram morar lá, levando para o bairro, além da coincidência do nome do morro, a violência e bandidagem. Por coincidência, o Morro do Salgueiro, no Rio de Janeiro, era de propriedade do parente do sr. Salgueiro de São Gonçalo. A mesma família deu seus nomes a locais distintos... Na verdade, e poucos sabem, existem vários bairros e sub-bairros no local, além do Salgueiro, que pertence ao 1o. Distrito da cidade.: São Lourenço, Eucalipto, etc.

0
0
0
s2smodern
Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

Continuando o papo sobre a história de bairros de nossa São Gonçalo, veremos outros:

Barro Vermelho...

 
Há muitas histórias: segundo a prof. Maria Nelma C. Braga, o nome "barro vermelho" foi devido a uma olaria pertencente à família Nanci - a mesma que é dona de uma grande fazenda em Maricá, foi dona do Cine Nanci (atual loja Marisa, no Rodo), é dona de vários imóveis na cidade, como aquela casa ao lado da Escola Nilo Peçanha, no Zé Garoto e de onde vem os políticos Nanci da cidade - de onde se tirava um barro aonde fica atualmente o CIEP do bairro.
Através do Decreto 527, passou-se a chamar bairro de Fátima
. Mas para os moradores o nome continua sendo "Barro Vermelho".

Bairro das Palmeiras...

 
É o nome oficial do "conjunto da Marinha".

Explico: na década de 1980, a Marinha do Brasil mandou aterrar o mangue que existe no local - eu vi, tinha caminhão de aterro que não acabava mais - para fazer um bairro para os marinheiros. A escola do local tem nome de marinheiro (inclusive participante da Guerra do Paraguai).
O nome provém da Estrada das Palmeiras, que começa no Rodo de Itaúna e termina no conjunto da PM. Era tudo mangue pertencente ao rio Guaxindiba.
As ruas do lado oposto ao conjunto (subindo o Maciço de Itaúna)tem nome de artistas de cinema - Charles Chaplin, etc.
Seguindo a onda, a PM mandou construir mais a frente um conjunto para os seus soldados.
Acontece que o conjunto da PM nao vingou, e foi invadido anos depois por famílias inteiras. É isso aí: os primeiros moradores são invasores...
Curiosidade: mais a frente do conjunto da PM existia um QUILOMBO, cujos quilombolas viviam como no século XIX. Hoje, com a falta de segurança pública no local, fugiram de lá...

Engenho Pequeno...


era a fazenda de João Caldeira. Ele que dava este nome ao seu engenho de cana por achá-lo "pequeno" (que não tinha nada de pequeno). Toneladas de açúcar eram produzidas ali e saíam pelos portos da cidade (eram 10 portos).

Inclusive, é interessante citar que SG tinha a maior produção de açúcar do estado, e também de CACHAÇA.
Em SG teve origem a primeira revolta contra o Império: A Revolta da Cachaça (daí o motivo daqueles furos na Pedra da Coruja, no Zé Garoto, mas isso é outra história).

0
0
0
s2smodern
Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

 

São Gonçalo vista do Morro da Matriz

 

Alexandre Martins

 

Em 1502 foi descoberta a Baía de Guanabara e, em decorrência, suas regiões. A chamada Banda D'Além tinha uma sesmaria, a de São Gonçalo, parte da Capitania de São Vicente.

Foi o viajante francês Jean Lery quem, em 1557, fez a primeira referência escrita que se conhece, às terras do hoje município de São Gonçalo. Em seu livro “Viagem às terras do Brasil” ele comenta que encontrou aldeias indígenas Tupis em torno da baía que nós hoje chamamos de Guanabara e localizada a Ilha de Itaoca, como o ponto de uma delas. 1

A Sesmaria de São Gonçalo compreendia o espaço o que hoje seria da Praia de Icaraí à Praia da Luz. Seu desbravamento se deu pelos Jesuítas, que construíram portos e fazendas. À época existiam poucos habitantes nativos, como os índios

É, pois, em abril de 1579 que se tem o início da história de São Gonçalo. A paróquia data dee 10 de fevereiro de 1646, bem como a transformação da sesmaria em Frequesia.

Gonçalo Gonçalves, “O Velho” é considerado o primeiro donatário da Sesmaria que deu origem à atual cidade, cuja carta de doação data de 6 de abril de 1579 de terras “com mil braças de largo e 1500 de comprido, em Suassunhã do Porto de Birapitanga”. Fidalgo natural de Amarante, região do Minho, em Portugal, morava no Rio de Janeiro. De posse da terra, erigiu a igreja de São Gonçalo do Amarante, às márgens do Rio Imboaçu, aonde hoje está a igreja matriz. O povoado surge em seguida, onde hoje é o bairro do Zé Garoto.

Revolta da Cachaça é o nome pelo qual passou à História do Brasil o episódio ocorrido entre final de 1660 e começo do ano seguinte, no Rio de Janeiro, motivado pelo aumento de impostos excessivamente cobrados aos fabricantes de aguardente. Também é chamada de Revolta do Barbalho ou Bernarda. Governava o Rio de Janeiro, Salvador Correia de Sá e Benevides, no início de 1660. Produtores da região norte da Baía da Guanabara, então Freguesia de São Gonçalo do Amarante (atuais municípios de São Gonçalo e Niterói) rebelaram-se contra a taxa.

Durante seis meses houve reuniões na fazenda de Jerônimo Barbalho Menezes de Bezerra, na Ponta do Bravo (atual bairro do Gradim, em São Gonçalo).

Na madrugada de 8 de novembro de 1660, liderados pelo fazendeiro, os revoltosos atravessam a baía, convocando o povo da cidade pelo toque de sinos a reunir-se diante do prédio da Câmara. Totalizavam 112 senhores de engenho, 10 de São Gonçalo, que exigiam o fim da cobrança das taxas, bem como a devolução daquilo já arrecadado. Tomé de Sousa Alvarenga, tio do governador e em exercício durante sua ausência. Alvarenga foi enviado para Portugal junto a uma lista de acusações contra sua família, então poderosa. Salvador de Sá organizou uma tropa de paulistas. O Rio de Janeiro foi atacado de surpresa, na madrugada de 6 de abril. As tropas baianas vieram pela praia, enquanto Salvador de Sá invadia com os seus pelo interior. Apanhados de surpresa, os revoltosos não opuseram resistência.

Aprisionados os líderes, foi montada uma corte marcial que condenou os rebeldes à prisão. Jerônimo Barbalho, único condenado à morte, foi decapitado e sua cabeça afixada no pelourinho.

O Conselho Ultramarino, porém, deu razão aos rebelados. Salvador de Sá foi afastado de suas funções e teve de responder em Portugal por seus excessos. A família Sá, descendente do ex-governador-geral Mem de Sá e do fundador da cidade do Rio de Janeiro, Estácio de Sá, perdeu prestígio e a grande influência que até então conseguira manter. Os rebeldes condenados foram libertados.

Em 1749 foi criada a Estrada Real (atual rua Moreira César) ligando Niterói a Alcântara. À época o trajeto era feito por embarcações do Porto de Niterói para os portos de São Gonçalo (Ponte, Luz, Neves, Bandeira e Lira) e a ligação com o Rio de Janeiro se dava tembém por esses portos.

Com a criação, em 21 de junho de 1769, da Freguesia de Paquetá, esta é anexada a São Gonçalo, sendo anexada finalmente pelo Rio de Janeiro somente em 1833.

Em 1779, São Gonçalo contava com 23 engenhos de açúcar, com 952 escravos numa população de mais de seis mil habitantes.

Em 1780 recebeu as primeiras mudas de café, oriundas de Belém, no Pará.De São Gonçalo, expandiu-se para todo o Estado do Rio e para o Vale do Paraíba.

Em 1819 é criada a Vila Real de Praia Grande e São Gonçalo é anexada junto com outras freguesias. Em 1834 é denominada Cidade de Niterói e, em 1835, é elevada a capital do Estado do Rio de Janeiro.

Em 1847, o Imperador D. Pedro II visita São Gonçalo pela primeira vez, hospedando-se na sede da Fazenda do Jacaré (atual bairro do Patronato).

Em 1860, possuía São Gonçalo 30 engenhos de cana e 10 fornos de cerâmica, exportando seus produtos pelos portos de Gradim, da Pedra, Maruí, Neves, Guaxindiba, da Madama, da Ponte, da Luz, do Rosa e Boa Vista.

Em 1890, foi São Gonçalo a sede da primeira Região Policial do Estado do Rio, conseguindo ainda, aos 22 de outubro, seu desmembramento de Niterói. Em 1899 é inaugurado o primeiro prédio da Prefeitura, no mesmo local atual, embora seu primeiro prefeito, Cel. Ernesto Francisco Ribeiro, tenha somente sido nomeado em 1904. Em 1922, São Gonçalo é reconhecida oficialmente como cidade.

Em 1943, o distrito de Itaipú é cedido para o município de Niterói e São Gonçalo deixa de ter sua ligação com a Costa brasileira.

Não somente o Imperador e a Princesa Isabel, mas Presidentes do Brasil visitaram São Gonçalo, como Getúlio Vargas em 1943 e Juscelino Kubitschek em 1956.

Os primeiros bairros de São Gonçalo tiveram origem das fazendas de cana de açúcar que foram loteadas no início do século XX, daí muitos terem seus nomes, como Trindade, Itaúna, Colubandê, etc. Outros, pelos portos que existiam no local, como Porto Novo, Porto da Madama e outros.

Muitos brasileiros importantes nasceram em São Gonçalo, como o Conde Baurepaire Rohan, construtor do primeiro Plano Diretor da cidade do Rio de Janeiro; Orlando Rangel, introdutor da Indústria Farmacêutica no Brasil; dentre outros.

 

* * *

 

 


 

1- O termo tamoios se refere a uma aliança de povos indígenas do tronco lingüístico tupi que habitavam a costa dos atuais estados de São Paulo (litoral norte) e Rio de Janeiro (Vale do Paraíba fluminense). Esta aliança, liderada pela nação tupinambá, congregava também os guaianazes e aimorés. Portanto "tamoio" não se trata de um etnônimo, ou seja, de uma tribo ou nação indígena específica. O termo "tamoio" vem "tamuya" que em língua tupi significa "os anciãos". A aliança de tribos, conhecida como Confederação dos Tamoios, foi motivada pelos ataques dos portugueses e mestiços que procuravam capturar escravos entre os indígenas para trabalhar nas primeiras plantações de cana-de-açúcar. Por décadas, os Tamoios foram a única resistência organizada contra a colonização portuguesa.

0
0
0
s2smodern
Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

 

 
Robson Alexandrino  

 



Alexandre Martins*


Muito se tem escrito sobre a tradição cristã da Festa do Corpo e Sangue do Senhor, em especial sobre a tradição do enfeite do trajeto da procissão anexa à mesma festa e, como católico gonçalense, não deveria eu me isentar de comentar esta bela tradição de São Gonçalo pela ótica católica, para benefício tanto dos católicos gonçalenses quanto dos que queiram entender a nossa cultura.

 

A Eucaristia

A Igreja Católica sempre entendeu nas palavras proferidas por Nosso Senhor Jesus Cristo, na chamada Última Ceia, que o pão e o vinho consagrados neste momento pelo sacerdote são em real o Seu corpo e o Seu sangue. A Igreja vive da Eucaristia. É com alegria que ela experimenta, de diversas maneiras, a realização incessante desta promessa: “Eu estarei sempre convosco, até ao fim do mundo” 1 mas, na sagrada Eucaristia, pela conversão do pão e do vinho no corpo e no sangue do Senhor, goza desta presença com uma intensidade sem par. O Concílio Vaticano II2 justamente afirmou que o sacrifício eucarístico é “fonte e centro de toda a vida cristã”. De fato, “na santíssima Eucaristia, está contido todo o tesouro espiritual da Igreja, isto é, o próprio Cristo, a nossa Páscoa e o pão vivo que dá aos homens a vida mediante a sua carne vivificada e vivificadora pelo Espírito Santo”. Por isso, o olhar da Igreja volta-se continuamente para o seu Senhor, presente no sacramento do Altar, onde descobre a plena manifestação do seu imenso amor.3
Para o cristão católico, aquele pedaço de pão sem fermento é a real carne de Nosso Senhor Jesus Cristo, e aquele vinho tinto o Seu precioso sangue. Inúmeros milagres durante dois mil anos dão ao fiel a comprovação dessa doutrina, como o Milagre de Lanciano, exaustivamente estudado pela Ciência.

 

Uma festa para sanar as dúvidas

A celebração de Corpus Christi (Corpo de Cristo) surgiu na Idade Média e consta de uma missa, procissão e adoração ao Santíssimo Sacramento. Quarenta dias depois do Domingo de Páscoa é a quinta-feira da Ascensão do Senhor. Dez dias depois temos o Domingo de Pentecostes. O domingo seguinte é o da Santíssima Trindade, e na quinta-feira é a celebração do Corpus Christi. Porque a Eucaristia foi celebrada pela 1ª vez na Quinta-Feira Santa, Corpus Christi se celebra sempre numa quinta-feira após o Domingo da Santíssima Trindade.
No final do século XIII surgiu em Liége, atual Bélgica, um Movimento de revalorização da Eucaristia na Abadia de Cornillon. Foi a origem de vários costumes eucarísticos, como a Exposição e Bênção do Santíssimo Sacramento, o uso dos sinos durante a elevação na Missa e a festa do Corpus Christi.
Santa Juliana de Mont Cornillon (1193-1258), à época priora da Abadia, foi a enviada de Deus para propiciar esta Festa. Ficou órfã muito pequena e foi educada pelas freiras Agostinianas. Quando cresceu, fez sua profissão religiosa e mais tarde foi superiora de sua comunidade.
Desde jovem, Santa Juliana teve uma grande veneração ao Santíssimo Sacramento. E sempre esperava que se tivesse uma festa especial em sua honra. Este desejo se diz ter intensificado por uma visão que teve da Igreja sob a aparência de lua cheia com uma mancha negra, que significada a ausência dessa solenidade. Juliana comunicou estas aparições a Dom Roberto de Thorete, bispo de Liége, também a e Jacques Pantaleón, arquidiácono local, futuro Papa Urbano IV. O bispo Roberto ficou impressionado e, como nesse tempo os bispos tinham o direito de ordenar festas para suas dioceses, invocou um sínodo em 1246 e ordenou que a celebração fosse feita no ano seguinte.4
O Papa Urbano IV, estava em Orvieto, cidade ao norte de Roma. Perto está Bolsena, onde em 1263 (ou 1264) aconteceu o Milagre de Bolsena: um sacerdote que celebrava a Santa Missa teve dúvidas de que a Consagração fosse algo real., no momento de partir a Sagrada Forma, viu sair dela sangue do qual foi se empapando em seguida o corporal. A venerada relíquia foi levada em procissão a Orvieto em 19 junho de 1264. Hoje se conservam os corporais5 em Orvieto, e também se pode ver a pedra do altar em Bolsena, manchada de sangue. O Santo Padre movido pelo prodígio, e a petição de vários bispos, faz com que se estenda a festa do Corpus Christi a toda a Igreja por meio da bula "Transiturus" (de 8/9/1264) fixando-a para a quinta-feira depois da oitava de Pentecostes e outorgando muitas indulgências a todos que asistirem a Santa Missa e o ofício.
O ofício de Corpus Christi foi composto por São Tomás de Aquino, que usou parte de Antífonas, Lições e Responsórios já em uso em algumas igrejas.
Nenhum dos decretos fala da procissão com o Santíssimo como um aspecto da celebração. Porém estas procissões foram dotadas de indulgências pelos Papas Martinho V e Eugênio IV, e se fizeram bastante comuns a partir do século XIV. Na Igreja grega a festa de Corpus Christi é conhecida nos calendários dos sírios, armênios, coptos, melquitas e os rutínios da Galícia, Calábria e Sicília.

 

No Brasil, com tapetes

A confecção de tapetes de rua é uma magnífica manifestação de arte popular que tem como origem a comemoração do Corpus Christi. A tradição de fazer o tapete com folhas e flores vem dos imigrantes açorianos. Essa tradição praticamente desapareceu em Portugal continental, onde teve origem, mas foi mantida nos Açores e nos lugares onde chegaram seus imigrantes, como Florianópolis (SC).
A festa foi trazida para o Brasil pelos portugueses. Numa carta de 9 de agosto de 1549, o Padre Manuel da Nóbrega, da Bahia, informava: “Outra procissão se fez dia de Corpus Christi, mui solene, em que jogou toda a artilharia, que estava na cerca, as ruas muito enramadas, houve danças e invenções à maneira de Portugal”.6
As procissões portuguesas eram esplendorosas: tropas, fidalgos, cavaleiros, andores, danças e cantos. A imagem de São Jorge, padroeiro de Portugal, seguia a procissão montada em um cavalo, rodeada de oficiais de gala.

 

A Liturgia Romana

Para as procissões eucarísticas, a cruz vai à frente ladeada por duas velas. Não se leva incenso junto à cruz. Atrás dela os ministros dois a dois, os acólitos, os diáconos e os concelebrantes. Estes últimos portam o pluvial, mas podem portar também a casula se a procissão foi feita logo após a missa. O celebrante principal, se não levar a sagrada eucaristia vai imediatamente à frente dela. Segue, então, a sagrada Eucaristia carrega por um clérigo vestido com alva, estola, pluvial e véu umeral de cor branca. É coberta pelo pálio ou pela umbela, carregado por quatro ou seis pessoas. À sua frente, vão dois acólitos com turíbulos fumegando. Se for o bispo a levar o Santíssimo, o báculo vai à frente dos turiferários e a mitra, bem como o livro atrás do pálio. Além dos demais acólitos assistentes, vão na parte de trás da procissão, os clérigos em vestes corais. Os de maior dignidade vão mais perto da Sagrada Eucaristia. Durante a Missa o celebrante consagra duas hóstias: uma é consumida e a outra apresentada aos fiéis para adoração.
A procissão lembra a caminhada do povo de Deus, peregrino, em busca da Terra Prometida. No Antigo Testamento esse povo foi alimentado com o pão maná, no deserto. Hoje, ele é alimentado com o próprio Corpo de Cristo em forma de pão.

 

Em São Gonçalo

A festa passou a integrar o calendário religioso brasileiro em 1961, quando uma pequena procissão saiu da igreja de Santo Antônio e seguiu até a igreja de Nossa Senhora de Fátima em Brasília. A festa de Corpus Christi no município de São Gonçalo começou em 19957.
Em 2010, os tapetes de Corpus Christi em São Gonçalo são patrimônio cultural imaterial do município, conforme a Lei Estadual 3141/10 de autoria do Deputado Altineu Cortes.8 Sua extensão de 2000 metros o caracteriza como o maior em extensão da América Latina.
A cada ano, o Prefeito de São Gonçalo assina um decreto nomeando os componentes da Comissão dos Festejos de Corpus Christi no município, publicado no Diário Oficial da cidade.
 

 

Uma tradição católica e cultural gonçalenses

A cidade de São Gonçalo foi fundada por portugueses e grande parte de sua arquitetura é de origem ibérica. Não somente as casas, mas o modo de ser das pessoas, do comércio, são típicos de antiguidade portuguesa. A religião católica é um dado característico dessa cultura e tornou-se também uma característica brasileira, desenvolvendo-se em formas próprias em uma chamada “brasilidade católica”.
A festa católica do Corpo de Cristo é assimilada em toda a Cristandade e não poderia deixar de ser em São Gonçalo também praticada. Com orgulho temos o maior tapete artístico de sal com motivos sacros de toda a América Latina. Isso demonstra não só a catolicidade de nossa cultura antiga, mas também a preservação de uma tradição para as gerações futuras, ansiosas de tradição e cultura seculares.
 
 
 
 

_________________________________________________________________
*Empresário cultural, presidente da SAL – Sociedade de Artes e Letras de São Gonçalo, do Conselho Municipal de Cultura 
 
1- Evangelho segundo são Mateus, capítulo 28, versículo 20
2- reunião de todos os bispos da Igreja Católica, realizado de 1963 a 1966, em Roma, Itália.
3- Carta Encíclica “Ecclesia de Eucaristia” (A Igreja da Eucaristia) do papa Paulo II, §1
4- O decreto está preservado em Binterim (Denkwürdigkeiten, V.I. 276), junto com algumas partes do ofício.
5- guardanapos de pano branco onde se apóiam o cálice e a patena durante a Missa.
6- Cartas do Brasil, 86, Rio de Janeiro, 1931.
7- sítio oficial da Arquidiocese de Niterói, disponível em http://arqnit.org.br
8- PROJETO DE LEI Nº 3141/2010 - DECLARA PATRIMÔNIO CULTURAL IMATERIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO OS FESTEJOS RELIGIOSOS DE Corpus Christi E O TAPETE PARA A PROCISSÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO/RJ Autor(es): Deputado ALTINEU CORTES - A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLVE: Art. 1º - Ficam declarados como Patrimônio Cultural Imaterial do Estado do Rio de Janeiro os festejos religiosos de Corpus Christi e o tapete preparado para a procissão católica no município de São Gonçalo. Art. 2º - Esta Lei entra em vigor na data de sua criação. Plenário Barbosa Lima Sobrinho, 9 de junho de 2010.
0
0
0
s2smodern
Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

 

 

 



Alexandre Martins, cm.
na memória de S. Jorge, Mártir, 23/4/2012
 
 
A primeira vez que soube que são Jorge era da Capadócia – e também soube que algum dia existiu um lugar com esse nome – foi em um livro de Monteiro Lobato quando era criança. O escritor kardecista narrava em sua obra do Sítio do Picapau Amarelo1 uma conversa entre Pedrinho e o Santo Guerreiro no qual este informava sobre sua vida.
 
São Jorge (275 - 23 de abril de 303) foi, de acordo com a tradição, um soldado romano no exército do imperador Diocleciano, venerado como mártir cristão.
São Jorge é um dos mais venerados tanto na Igreja Católica Romana e na Igreja Ortodoxa como também na Comunhão Anglicana. Considerado como um dos mais proeminentes “santos militares”, sua memória é celebrada dia 23 de abril como também em 3 de novembro, quando, por toda parte, se comemora a reconstrução da igreja dedicada a ele em Lida (Israel), onde se encontram suas relíquias, erguida por Constantino I.

 

 
 

 

 

História

 
De acordo com uma lenda, Jorge nasceu na Capadócia, região central da Anatólia, atualmente parte da República da Turquia.
Ainda criança mudou-se para a Palestina com sua mãe após seu pai morrer em batalha. Sua mãe, ela própria originária da Palestina, em Lida, possuía muitos bens e o educou com esmero. Ao atingir a adolescência, Jorge entrou para o exército romano por ser a que mais satisfazia à sua natural índole combativa. Logo foi promovido a capitão do Exército Romano devido a sua dedicação e habilidade — qualidades que levaram o imperador a lhe conferir o título de Conde da Capadócia. Aos 23 anos passou a residir na corte imperial em Nicomédia, exercendo a função de Tribuno Militar.

0
0
0
s2smodern
Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

Alexandre Martins

 

A Umbanda, uma das religiões mais populares do país, é gonçalense. Surgida no mesmo dia 15 de novembro de 1908, no bairro de Neves. Confusões de Darcy Ribeiro, que citou o território de Neves como bairro de Niterói, tiraram a fama da cidade de São Gonçalo como local de fundação da Umbanda. Contudo, historiadores da religião corrigiram o erro.

Zélio Fernandino de Morais é o fundador da Umbanda, um médium1 que agiu por orientação de um espírito.zélio

Zélio nasceu em família tradicional de Neves, aos 10 de abril de 1891. Em fins de 1908, então com dezessete anos de idade, Zélio preparava-se para o ingresso na carreira militar na Marinha do Brasil quando foi acometido por uma inexplicável paralisia, que os médicos não conseguiam debelar. Certo dia, ergueu-se no leito, declarando: "Amanhã estarei curado!" No dia seguinte, levantou-se normalmente e começou a andar, como se nada lhe houvesse tolhido os movimentos.

Sua mãe, Leonor de Moraes, levou Zélio a uma curandeira chamada D. Cândida, figura conhecida na região onde morava e que incorporava o espírito de um preto velho chamado “Tio Antônio”. Tio Antônio recebeu o rapaz e lhe disse que possuía o fenômeno da mediunidade e deveria trabalhar com a caridade. O Pai de Zélio de Moraes, Joaquim Fernandino Costa, apesar de não freqüentar nenhum centro espírita, já era um adepto do Espiritismo, praticante do hábito da leitura espírita.

Um amigo da família sugeriu então uma visita à Federação Espírita do Estado do Rio, na época em Niterói. No dia 15 de novembro, o jovem Zélio foi convidado a participar da sessão, tomando um lugar à mesa. Tomado por uma força estranha e superior a sua vontade, falou, sem saber o que dizia. “Se julgam atrasados os espíritos de pretos e índios, devo dizer que amanhã (16 de novembro) estarei na casa de meu aparelho2 para dar início a um Culto. Será uma religião que falará aos humildes, simbolizando a igualdade que deve existir entre todos os irmãos. E se querem saber meu nome, que seja este: 'Caboclo das Sete Encruzilhadas', porque para mim não haverá caminhos fechados”.

No dia seguinte, na casa da família Moraes, ao se aproximar a hora marcada, oito da noite, lá já estavam reunidos os membros da Federação Espírita para comprovarem a veracidade do que fora declarado na véspera; estavam os parentes mais próximos, amigos, vizinhos e, do lado de fora, uma multidão de desconhecidos.

O Caboclo declarou que se iniciava um novo Culto em que os espíritos de velhos africanos que haviam servido como escravos e que, desencarnados, não encontravam campo de atuação nos remanescentes das seitas negras, já deturpadas e dirigidas em sua totalidade para os trabalhos de feitiçaria; e os índios nativos de nossa terra, poderiam trabalhar em benefício de seus irmãos, qualquer que fosse a cor, a raça, o credo e a condição social. A prática da caridade, no sentido do amor fraterno, seria a característica principal deste Culto, que teria por base o Evangelho de Jesus.

O Caboclo estabeleceu as normas em que se processaria do culto. O ritual era bem simples, com cânticos baixos e harmoniosos, vestimenta branca, proibição de sacrifícios de animais. Dispensou os atabaques e outros instrumentos de percussão, além das palmas. Capacetes, espadas, cocares, vestimentas de cor, rendas e lamês não seriam aceitos. As guias utilizadas seriam apenas as que determinassem a Entidade que se manifestasse. Os banhos com ervas, os Amacis3, a concentração nos ambientes vibratórios da natureza, a par do ensinamento doutrinário, na base do Evangelho, constituiriam os principais elementos de preparação do médium.Sessões, assim seriam chamadas os períodos de trabalho espiritual, diárias, das oito às dez da noite; os participantes estariam uniformizados de branco e o atendimento seria gratuito. Deu, também, o nome do Movimento Religioso que se iniciava: Umbanda – Manifestação do espírito para a caridade.

Embora não seguindo a carreira militar para a qual se preparava, pois sua missão mediúnica não o permitiu e como era norma não receber salário no culto, sobrevivia administrando os negócios de seu pai. 4

O primeiro terreiro que recebeu o nome de Tenda Espírita Nossa Senhora da Piedade, foi instalado na sua própria casa, na Rua Floriano Peixoto, 30. Deste local se originaram mais sete, em 1918: Tenda Nossa Senhora da Guia, Tenda Nossa Senhora da Conceição, Tenda Santa Bárbara, Tenda São Pedro, Tenda Oxalá, Tenda São Jorge e Tenda São Jerônimo.

Em 18 de maio de 1924, Zélio foi eleito vereador, e em 10 de janeiro de 1927, foi reeleito para um segundo mandato, sendo neste o secretário do Legislativo.

 

foto

 

Como vereador, dedicou-se principalmente à difusão de escolas públicas em São Gonçalo. Tamanha foi sua dedicação a este tema, que criou uma escola totalmente gratuita, de curso Fundamental, funcionando na Tenda Espírita Nossa Senhora da Piedade. Zélio se candidatou novamente à reeleição no pleito de 1 de setembro de 1929, porém, dessa vez, não logrou êxito. Após essa derrota nas eleições, Zélio de Moraes abandonou a política.

Em 1963, após 55 anos de atividades à frente da Tenda, Zélio entregou a direção dos trabalhos as suas filhas Zélia e Zilméa de Moraes e continuou ao lado de sua esposa Isabel Moraes trabalhando na “Cabana de Pai Antônio”, no distrito de Boca do Mato, Cachoeiras de Macacu.

Zélio faleceu no dia 3 de outubro de 1975 em Cachoeiras de Macacu, aos 84 anos. Como homenagem, a Câmara Municipal de São Gonçalo nomeou uma rua no bairro de Mangueira.

Em 1999 quem residia na casa de Neves era a bisneta da senhora Zilka, irmã de Zélio, que é católica e não é ligada a Umbanda. A Tenda deixou de funcionar naquele endereço há mais de 50 anos...

No dia 19 de março de 2008 - ano do centenário da Umbanda do Caboclo das Sete Encruzilhadas - foi aprovado o Projeto de Lei 5687/05, do deputado Carlos Santana (PT-RJ), que instituiu o Dia Nacional da Umbanda, a ser comemorado anualmente em 15 de novembro, data do nascimento do culto.

 

 


1- pessoa que, nos culto afrobrasileiros, é a anunciadora das mensagens recebidas dos espíritos do Além.

2- o médium.

3- a lavagem de cabeça onde os seguidores de Umbanda fazem a ligação com a vibração dos seus guias espirituais.

4- NUNES, J. C. P. O pai da Umbanda. Revista de História da Biblioteca Nacional. Disponível em www.revistadehistoria.com.br. Acesso em 28 dez. 2008

0
0
0
s2smodern
Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

 

 

 

 

Alexandre Martins*

 

Não somente Niterói possui uma estátua dedicada a algum indígena, mas também São Gonçalo possui a sua.
 
Uma misteriosa estátua de um índio existe há décadas no bairro do Arsenal.
 
Segundo moradores, como Guaíra Xavier - uma caxiense que desde o início ficou intrigada com a estátua - o monumento pertencia a um senhor que era realmente índio. 

 Ele construiu a estátua na direção de Niterói. A posição da flecha empunhada mira a terra de Araribóia. Mas tanto o motivo da construção quanto da posição beligerante contra os niteroienses ficou descohecido. Mesmo com seu falecimento, a estátua ficou ainda preservada.

 

 

Mede cerca de 2 metros de altura, feita em granitina (pedaços de granito em massa de cimento) e posicionada em cima de um pedestal de alvenaria.
 
Muitos que passam na frente dela imaginam várias coisas: lembranças de um terreiro de umbanda, sacrifícios aos seus pés, etc.
 
A realidade é que poucos sabem do real motivo que levou a essa construção.
 
A SAL trará mais detalhes sobre mais essa curiosidade de nossa cidade.

 

Saudações papagoiabas.



P.S.: Em postagem na rede Facebook, o fotógrafo gonçalense Marco Speziali explica que a imagem está localizada dentro de uma propriedade particular que pertenceu ao médico pediatra Mário Sólon. Antes de tomar como sua propriedade, no local existia um Centro de Umbanda muito frequentado. A imagem seria, então, de um "Caboclo de Xangô". [1]
 
Segundo o fotógrafo, os protestantes locais desejariam retirar a estátua, o que foram impedidos por moradores que afirmaram ser relíquia indígena.


 *    *    *

1 - Caboclo, dentro da Umbanda, corresponde a um espírito desencarnado de um índio, que se manifesta através de uma pessoa capaz de senti-lo, o chamado "médium". Tal espírito responde às perguntas dos frequentadores das sessões de umbanda, procurando passar-lhes sua sabedoria e coragem, na intenção de ajudar-lhes a superar seus problemas.

 

_______________________________________________

(*) empresário cultural, presidente da SAL

0
0
0
s2smodern
Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

 

 

Alexandre Martins

 

É curioso um mesmo bairro ter vários nomes, mas é o caso do bairro do Salgueiro.

Surgido na década de 1970 a partir do loteamento da fazenda de São Lourenço, foi preenchido por casas do antigo BNH para população operária.

Um dado curioso é que o tamanho do terreno de cada casa e mesmo o tamanho padronizado delas era para uma finalidade que ainda hoje vemos: a construção de anexo para os filhos dos moradores.

É costume em nossa cidade que os filhos ocupem o mesmo terreno dos pais quando se casam para construirem suas próprias casas. Dão-se nomes curiosos, como “puxadinhos” e “meia-água”. É comum ver em terrenos ou lotes várias gerações de uma mesma família. São filhos, pais e até avós em uma pequena comunidade no mesmo número da rua...

O conjunto do Salgueiro – ou “do BNH”, como se chamava à época – tinha essa preocupação. Havia a possibilidade de construção de uma nova casa nos fundos sem prejuízo para ninguém.

Fins de 1959, a Fazenda São Lourenço, de propriedade de José Francisco Corrêa e família foi demolida e seu laranjal desmatado para que as ruas como hoje são conhecidas fossem loteadas pelo BNH.1

O bairro da dupla de compositores “Claudinho & Buchecha” é conhecido no Rio de Janeiro como “favela do Salgueiro” e citado nos jornais como “Complexo do Salgueiro” - como a junção de favelas do Rio chamadas de Complexo do Alemão. Suas colinas são chamadas de “morro” e daí para ser “favela” é um pulo.

Mas tudo isso não corresponde à realidade.

A verdade é que toda a região pertencia ao Bairro de Itaúna, um dos maiores loteamentos de São Gonaçlo com 3663 lotes.

A História de São Gonçalo nos diz que há vários bairros no local, além do Salgueiro, como os bairros Eucalipto, Bela Vista, Miguel Couto e São Lourenço.2

O bairro do Salgueiro tem este nome por causa de Manoel Salgueiro, um português dono de imóveis em quatro ruas no local nas primeiras ruas entre a Estrada das Palmeiras e a Estrada da Sapucaia. Na realidade “Salgueiro” é a localidade situada às margens do Rio Alcântara.

O Jardim São Lourenço é por causa do nome da antiga fazenda do local. È especificamente a região entre as ruas Carlos Freire e Waldomiro Silveira.

Bela Vista é o nome da região norte do morro aonde se situa o CIEP 248 (Prof. Túlio Rodrigues Perlingeiro). Entre as ruas Elias de Morais e as Estradas das Palmeiras e da Sapucaia.

O bairro Eucalipto é a região entre a Rua Batavia e a Estrada da Sapucaia.

O bairro Miguel Couto – ou ainda, “Vila Professor Miguel Couto” - é a região a partir da Estrada das Palmeiras ao lado sul do Rio Morto – este na verdade um afluente do Rio Alcântara, que deságua também na Baía de Guanabara através do Imboaçu.

A Prefeitura de São Gonçalo reconhece oficialmente apenas o Salgueiro, um dos 30 bairros do Primeiro Distrito do Município.

 


 

1- O Banco Nacional da Habitação (BNH) foi um banco público brasileiro voltado ao financiamento e à produção de empreendimentos imobiliários. Criado em 1964 pela Deputada Sandra Cavalcanti, sua primeira presidente, através da Lei 4.380, o BNH tinha por função a realização de operações de crédito — sobretudo de crédito imobiliário —, bem como a gestão do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Era um banco de segunda linha, ou seja, não operava diretamente com o público, atuando por intermédio de bancos privados e/ou públicos, e de agentes promotores, tais como as companhias habitacionais e as companhias de água e esgoto. Junto com o BNH, foi criada a correção monetária para as prestações, com o objetivo de manter o sistema auto-sustentável. O BNH foi extinto em 1986, através do Decreto Legislativo nº 2.291/86, o qual o repassou à Caixa Econômica Federal.

2- Guia Eureka, E.P. Editora Eureka, LTDA, São Gonçalo, 1984.

0
0
0
s2smodern
Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

 

 
Alexandre Martins


Em São Gonçalo, como na maioria das cidades do Sudeste brasileiro, há ainda vestígios de assoalhos e pisos de lajotas vermelhas em residências, quintais ou áreas de serviço, dispostas aleatóriamente ou formando desenhos geométricos.

Por ter sido nossa cidade um campo de olarias e cerâmicas desde séculos passados, alguns podem pensar que a idéia é natural de nossa região, mas não é bem assim.

A história vêm do estado de São Paulo, influenciando várias cidades do Brasil. Eis o artigo de um engenheiro sobre o assunto.

 

O mistério do marketing das lajotas quebradas

por Manoel Botelho*

 
 
Pode algo quebrado valer mais que a peça inteira? Aparentemente não. Mas no Brasil já aconteceu isto, talvez pela primeira vez na história da humanidade. Vamos contar esse mistério. 
 
Foi na década de 40 / 50 do século passado. Voltemos a esse tempo. A cidade de São Paulo era servida por duas indústrias cerâmicas principais. Um dos produtos dessas cerâmicas era um tipo de lajota cerâmica quadrada (algo como 20x20cm) composta por quatro quadrados iguais. Essas lajotas eram produzidas nas cores vermelha (a mais comum e mais barata), amarela e preta. Era usada para piso de residências de classe média ou comércio. 
 
Foto Mika Lins
No processo industrial da época, sem maiores preocupações com qualidade, aconteciam muitas quebras e esse material quebrado sem interesse econômico era juntado e enterrado em grandes buracos. 
 
Nessa época os chamados "lotes operários" na Grande São Paulo eram de 10x30m ou no mínimo 8x25m, ou seja, eram lotes com área para jardim e quintal, jardins e quintais revestidos até então com cimentado, com sua monótona cor cinza. Mas os operários não tinham dinheiro para comprar lajotas cerâmicas que eles mesmo produziam e com isso cimentar era a regra. 
 Certo dia, um dos empregados de uma das cerâmicas e que estava terminando sua casa não tinha dinheiro para comprar o cimento para cimentar todo o seu terreno e lembrou do refugo da fábrica, caminhões e caminhões por dia que levavam esse refugo para ser enterrado num terreno abandonado perto da fábrica. O empregado pediu que ele pudesse recolher parte do refugo e usar na pavimentação do terreno de sua nova casa. Claro que a cerâmica topou na hora e ainda deu o transporte de graça pois com o uso do refugo deixava de gastar dinheiro com a disposição.

Agora a história começa a mudar por uma coisa linda que se chama arte. A maior parte do refugo recebida pelo empregado era de cacos cerâmicos vermelhos mas havia cacos amarelos e pretos também. O operário ao assentar os cacos cerâmicos fez inserir aqui e ali cacos pretos e amarelos quebrando a monotonia do vermelho contínuo. É, a entrada da casa do simples operário ficou bonitinha e gerou comentários dos vizinhos também trabalhadores da fábrica. Ai o assunto pegou fogo e todos começaram a pedir caquinhos o que a cerâmica adorou pois parte, pequena é verdade, do seu refugo começou a ter uso e sua disposição ser menos onerosa.
Mas o belo é contagiante e a solução começou a virar moda em geral e até jornais noticiavam a nova mania paulistana. A classe média adotou a solução do caquinho cerâmico vermelho com inclusões pretas e amarelas. Como a procura começou a crescer a diretoria comercial de uma das cerâmicas descobriu ali uma fonte de renda e passou a vender, a preços módicos é claro pois refugo é refugo, os cacos cerâmicos. O preço do metro quadrado do caquinho cerâmico era da ordem de 30% do caco integro (caco de boa família).

Até aqui esta historieta é racional e lógica pois refugo é refugo e material principal é material principal. Mas não contaram isso para os paulistanos e a onda do caquinho cerâmico cresceu e cresceu e cresceu e , acreditem quem quiser, começou a faltar caquinho cerâmico que começou a ser tão valioso como a peça integra e impoluta. Ah o mercado com suas leis ilógicas mas implacáveis.

Aconteceu o inacreditável. Na falta de caco as peças inteiras começaram a ser quebradas pela própria cerâmica. E é claro que os caquinhos subiram de preço ou seja o metro quadrado do refugo era mais caro que o metro quadrado da peça inteira… A desculpa para o irracional (!) era o custo industrial da operação de quebra, embora ninguém tenha descontado desse custo a perda industrial que gerara o problema ou melhor que gerara a febre do caquinho cerâmico.

De um produto economicamente negativo passou a um produto sem valor comercial a um produto com algum valor comercial até ao refugo valer mais que o produto original de boa família…

A história termina nos anos sessenta com o surgimento dos prédios em condomínio e a classe média que usava esse caquinho foi para esses prédios e a classe mais simples ou passou a ter lotes menores (4 x15m) ou foram morar em favelas.

São histórias da vida que precisam ser contadas para no mínimo se dizer:
– A arte cria o belo, e o marketing tenta explicar o mistério da peça quebrada valer mais que a peça inteira…

 
 
* Engenheiro Civil e autor da coleção CONCRETO ARMADO EU TE AMO
0
0
0
s2smodern
Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive

 

 

 

 

Alexandre Martins

 

Joaquim de Almeida Lavoura nasceu no bairro Caju, no Rio de Janeiro, em 4 de abril de 1913, filho de José Marques de Almeida e de Maria Cândida de Almeida.
 
Aos sete anos ficou órfão de mãe e seu pai decidiu se mudar com toda família para São Gonçalo, no bairro Gradim. Apenas com a Quarta Série do Ensino Fundamental, cursados em uma escola estadual, sempre ajudou economicamente sua família. De início como pescador, depois como catador de lenha e ainda como trabalhador em uma fábrica de conserva de peixes.
 
Lavoura optou por alterar seu sobrenome aos 21 anos de idade. “Foi uma particularidade porque o nome dele era Joaquim Marques de Almeida, mas requereu ao juiz a mudança para Joaquim da Almeida Lavoura, adquirindo o nome da avó paterna”, segundo o jornalista Rujany Martins.
 
Na idade adulta, passou a trabalhar no comércio, no bairro Porto Velho. Foi aí que ingressou na política, apoiado por um grupo de estudantes. Com seu carisma, conseguiu alcançar muitas pessoas e se tornou uma liderança de bairro logo cedo. Através da defesa forte e segura dos pescadores do Gradim e da população humilde do Quarto Distrito da cidade (Neves) estreou na Câmara de Vereadores, em 1947 (mandato 1947-1950) e novamente no mandato 1951-1954.
 
Em 1950, Joaquim Lavoura começou a preparar as bases para a realização do seu maior sonho, que era ser prefeito.
 
Mesmo não contando com o apoio das elites que estavam no comando, Lavoura mais uma vez surpreendeu, concorrendo à prefeitura em 1954 pelo PTN (Partido Trabalhista Nacional) e sendo eleito (mandato 1955-1959). Fez uma campanha onde se apresentava em cima de um trator rodeado de trabalhadores portando pás e picaretas. Seu slogan era: ‘Com trabalho há progresso’. Já no primeiro governo promoveu uma verdadeira revolução administrativa no município, marcando de vez seu nome na história da cidade. “Foi a partir dele que o município começou a crescer. Ele abriu escolas, hospitais e iniciou o sentimento de cidade com futuro”, destacou o jornalista Pereira da Silva, integrante da Comissão.
 
Lavoura, ao se eleger prefeito, retirou as linhas de bondes, alargou as passagens e promoveu os calçamentos do Porto Velho e Sete Pontes, vias principais de ligação de São Gonçalo com o município vizinho de Niterói. Era comum encontrá-lo, na direção de tratores e escavadeiras e utilizando pás.
 
Passou a controlar a frota de veículos da municipalidade. Comprou máquinas pesadas, retroescavadeiras, máquinas patrol e viaturas de transporte. Comprou e instalou a Usina de Asfalto e a Fábrica de Artefatos de Cimentos (manilhas e meio-fios). Construiu estradas e pontes, visando o escoamento das produções agrícola, pecuária, comercial e industrial.
 
Modernizou o Hospital Luiz Palmier e construiu o Pronto Socorro Infantil "Darcy Vargas". Instalou e equipou centros cirúrgicos e os laboratórios, adquirindo modernas ambulâncias.
 
Seus seguidores1, chamados “Grupo Lavoura”, fizeram também grandes atuações na cidade, como na Educação, construindo o Colégio Municipal Presidente Castelo Branco (em 31 de março de 1970, na gestão do prefeito Osmar Leitão Rosa); o Colégio Municipal Ernani Faria (Lavoura/Zeyr Porto), e o Centro Cultural Joaquim Lavoura (Governo Hairson Monteiro).
 
Sendo novamente prefeito em 1962 (mandato 1963-1967), foi Superintendente do Serviço de Transportes-RJ, em 1967, nomeado pelo então governador Geremias de Mattos Fontes.
 
Chegou até a Assembléia Legislativa do Estado, sendo deputado estadual em 1970 (mandato 1971-1973).
 
Joaquim de Almeida Lavoura ocupou posição central no cenário político gonçalense de 1955 a 1975. Consolidou-se como principal liderança política municipal da segunda metade do século XX. Sua bem sucedida trajetória engendrou um processo de mitificação do nome Lavoura e de sua prática política, o “Lavourismo”.
 
O nome Lavoura permite a compreensão de um universo político complexo na São Gonçalo da segunda metade do século XX, que vem sendo apresentado nos depoimentos dos seus antigos colaboradores. Neste contexto, esta liderança deve ser entendida como o político profissional, que constrói sua prática política e imagem pública com grande habilidade. Deste modo, em muitos aspectos, a compreensão do que o município de São Gonçalo é hoje remete às transformações engendradas neste período e, logicamente, remetem a Joaquim Lavoura.
 
O seu terceiro mandato de prefeito veio em 1973, durando até sua morte em 1975, assumindo em seu lugar o vice-prefeito Zeyr de Souza Porto. “Ele não admitia área de conforto à base de sustentação governista. Sempre conseguia maioria na Câmara Municipal, porém, com pouca diferença e sem pulverizar a oposição. Isso para, justamente, fazer os parlamentares de apoio se articularem mais” segundo o ex-prefeito de São Gonçalo (1967-71) Osmar Leitão Rosa.
 
O estilo político de Joaquim Lavoura o consolidou como uma liderança no Estado. “Houve uma eleição que dois deputados federais e cinco estaduais do grupo dele foram conduzidos à vitória. Até hoje, não me lembro de algo parecido”, segundo Josias Ávila, ex-deputado estadual.
 
Conheci Lavoura em 1963, quando trabalhava em um jornal carioca e me mandaram entrevistá-lo. Eu o encontrei em cima de uma reto-escavadeira no bairro Patronato, retirando lama das ruas. Surgiu uma boa amizade e depois terminei por fazer o cerimonial de sua morte, quando milhares de pessoas o acompanharam a pé, até a sua derradeira morada, no Cemitério de São Gonçalo, em seu mausoléu.
 
Uma boa lembrança que tenho de Lavoura, é a de quando tomávamos cafezinho na madrugada, em um bar na esquina da entrada do bairro Covanca. Depois, ele mandava seu motorista levar-me em casa”. - relata o jornalista Assueres Barbosa

 

Vítima de complicações pulmonares, faleceu no dia 12 de novembro de 1975, aos 62 anos. Mais de 10 000 pessoas assistiram ao seu funeral no Cemitério de São Gonçalo, onde está seu mausoléu.
 
O deputado José Luiz Nanci discursou2 na ALERJ sobre Lavoura:
 
Boa tarde senhor presidente, deputados e deputadas
 
Ocupo hoje esta tribuna para falar do ex-prefeito de São Gonçalo Joaquim de Almeida Lavoura, que se estivesse vivo completaria 100 anos no próximo dia 4 de abril. Homem de origem simples, ele fixou raízes em meu querido município e se destacou nas atividades políticas e humanitárias.
 
Para celebrar e marcar o centenário de nascimento de Joaquim Lavoura, foi criada uma Comissão Especial, presidida pelo professor Frederico Carvalho. A Presidência de Honra (In Memoriam) da Comissão foi atribuída ao também ex-prefeito Hairson Monteiro, que também já foi deputado nesta Casa.
 
A Comissão elaborou uma vasta programação para comemorar o Centenário de Joaquim Lavoura. Em boa hora, o prefeito Neilton Mulin baixou um decreto declarando 2013 como o Ano do Centenário de Nascimento do Prefeito Joaquim Lavoura. Uma justa homenagem. A Câmara Municipal também está participando desses festejos.
 
Da mesma forma, diversas entidades da sociedade estão apoiando a iniciativa, como o Rotary Clube e o Lions Clube, a Academia Gonçalense de Letras, Artes e Ciências, entre muitas outras.
 
Trago esses eventos ao conhecimento de todos porque Joaquim de Almeida Lavoura também integrou esta Casa, de 1971 a 1973, e merece ser cultuado pela sua história.
 
Morreu em 1975, pobre, sem acumular riquezas, se mostrando um grande homem, ícone de honestidade e trabalho. Até hoje, seu nome é lembrado e suas ações são engrandecidas.
 
Obrigado a todos!”

 

O político do cigarro de palha e do chapéu, mostrando seu poderio político, elegeu membros do Grupo Lavoura, como Geremias de Mattos Fontes (prefeito em 1958/1962) e Osmar Leitão Rosa (prefeito em 1966/!970). Isso sem falar em deputados federais, estaduais e vereadores.
 
Joaquim Lavoura foi citado pela revista norte-americana Times, como um dos melhores administradores de cidades no Mundo.3

 

*   *   *

 

 

 


 1- Seguindo a trajetória de do prefeito Joaquim Lavoura, podem ser citados nomes de políticos com brilhantes carreiras em São Gonçalo, o chamado “Grupo Joaquim Lavoura”, como: Geremias de Mattos Fontes - vereador, prefeito, deputado federal e governador do Estado do Rio; Osmar Leitão Rosa - vereador, prefeito e deputado federal; Hairson Monteiro dos Santos - vereador, prefeito e deputado estadual; Zeyr de Souza Porto - vereador, prefeito e deputado estadual; Josias Ávila Júnior - deputado estadual; Ayrton Rachid - vereador e deputado estadual; Antonio Maia - vice-prefeito

 2- quinta-feira, 28 de março de 2013

3- revista “Veja” - 19/11/ 1975, n.° 376, pág; 113

 

0
0
0
s2smodern

Ficha de candidato a Sócio da SAL

Baixe aqui a Ficha de Proposta de Sócio da SAL

JSN Dome template designed by JoomlaShine.com