Built with JSN PowerAdminBuilt with JSN PowerAdmin

Você está ligado na Cultura a

busca

Sociedade de Artes e Letras de São Gonçalo: o tempero da Cultura

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive
 

 

 

Ele nasceu Cleydson Valadares Costa e se transformou em Caju Valadares há dois anos, quando viveu um policial em “A Regra do Jogo”, novela de João Emanuel Carneiro e direção de Amora Mautner.

De la pra cá, não parou mais, com participações em diversos programas da emissora.

Nascido no bairro do Caju, Zona Portuária do Rio (de onde vem o nome artístico), este carioca vem dando passos rumo ao estrelato.

O jornal A Metrópole conversou com o ator de 39 anos, torcedor do Flamengo e fez recentemente a novela “Rocky Story”.

A Metrópole – Como foi a infância no Rio?

Caju Valadares – Era um Rio mais tranquilo. Morei na Glória, Catete, na Cruz Vermelha (Centro), mas o que mais sinto saudade é da minha infância em Santa Teresa. Não tem uma só vez que eu vá àquele bairro tão tradicional que eu não me lembre daquela época tão saudosa. Emoção aflora quase sempre.

A Metrópole – Morou um tempo em São Gonçalo?

Caju Valadares – Moro em São Gonçalo/RJ desde o início dos anos 90. Morei no Bandeirante e há mais de 20 anos, passei morando no Rocha. Depois, morei em Santa Catarina e em São Paulo. De volta ao RJ, voltei a viver em São Gonçalo.

A Metrópole – Podemos então dizer que você é um filho adotivo da cidade?

Caju Valadares – Sim… bem adotado. Gosto daqui. Acho tão perto do Rio.

A Metrópole – Mesmo sendo uma das cidades mais violentas do Estado?

Caju Valadares – Hoje a violência está em todo lugar. Não tem jeito. É uma doença social. Acho que a (in)segurança pública, hoje, é o principal problema do País. Que empresa vai querer investir num País que tem números dignos da Síria? Não adianta resolver Saúde, Educação, Economia quando nossa população está sendo dizimada! É como um câncer social e isso não vem da desigualdade social, e sim, das leis frágeis que beneficiam à criminalidade.

A Metrópole – Você tem feito aparições em programas da Rede Globo e inclusive em novelas. Como começou isso?

Caju Valadares – Começou meio que sem querer. Meu sonho sempre foi trabalhar atrás da câmeras. E fui tentar uma vaga como “Cabo Man”, até que uma pessoa me confundiu com uma pessoa que fazia elenco de apoio de “Babilônia, em 2015. Daí, me interessei pela arte, fiz testes, cursos, workshops, até que pintou convite pra eu fazer “A Regra do Jogo”, e daí, não parei mais.

A Metrópole – De quem foi o convite e como surgiu?

Caju Valadares – Da produtora Luana Diogo, que foi assassinada neste último final de semana, em Laranjeiras. Devo toda a minha gratidão a ela.

A Metrópole – E quais os (as) atores ou atrizes você tem sido grato pelos ensinamentos nesta difícil arte de interpretar?

Caju Valadares – Sem dúvida, o mestre Thony Ramos, o maior de todos. Sua humildade e gentileza, fazia parecer que eu tinha anos e anos de experiência. Suzana Vieira, Fábio Assunção, Cauã Reymond, Marco Pigossi, Humberto Martins são outros que ‘dão aulas’ em cena. Realmente, são experiências enriquecedoras demais.

A Metrópole – Mas quais são os atores que você sempre admirou?

Caju Valadares – Sempre admirei o Tony (Ramos), Cauã (Reymond), Bruno (Gagliasso), Gio (Giovanna Antonelli), e a maior de todas: Fernanda Montenegro, com quem tive a honra de participar de um cena em que ela conduzia no último capítulo de “Babilônia”, em 2015, onde gravamos no plenário da Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ).

A Metrópole – Quais são os projetos do Caju Valadares neste segundo semestre de 2017?

Caju Valadares – Com o término de “Rock Story” agora em Junho, estou me dedicando a um Projeto com o Grupo de Teatro que faço parte, o “Nós das artes, em que vamos gravar uma série pro nosso canal no YouTube: “Casa do Caramba”. E quanto à TV, vamos aguardar pra novos desafios.

A Metrópole – Fale um pouco do grupo teatral “Nós das Artes”?

Caju Valadares – É um grupo que existe há 15 anos, chefiado pelo Ator e Diretor Thony Duarte, que participou de várias novelas na Globo e recentemente esteve no elenco de apoio de “A Força do Querer”, que está no ar. É um grupo composto por mais de 30 atores e atrizes, de todos os níveis: profissionais, iniciantes e amadores. Sem nenhum tipo de apoio ou ajuda, o grupo se mantém basicamente do empenho dos participantes e do amor à arte.

A Metrópole – E quem quiser acompanhar o seu trabalho nas redes sociais, como faz?

Caju Valadares – Toda a minha carreira está nas redes sociais, em fotos, vídeos, depoimentos… só acessar e seguir: Caju Valadares no facebook e @cajuvaladares no instagram.

A Metrópole – E para quem quer se tornar ator, qual os conselhos que você dá?

Caju Valadares – Estudar… estudar… estudar e se entregar à arte. Interpretar vai do limite da técnica ao limite da realidade, e o desafio do ator é saber gravitar entre esses dois extremos de forma contínua.

 

Entrevista com o ator Caju Valadares

 

 

0
0
0
s2smodern

Por que se associar a Sociedade?

Associar-se à SAL - Sociedade de Artes e Letras de São Gonçalo - é um modo de autopromoção e de promoção do próprio trabalho artístico pois o convívio com pessoas que pensam, vivem e respiram Cultura serve para que cada membro se sirva do outro para as inspirações e apoio necessários para sua propria carreira.

 

baixe aqui a ficha de proposta

Ficha de candidato a Sócio da SAL

Baixe aqui a Ficha de Proposta de Sócio da SAL

JSN Dome template designed by JoomlaShine.com